quinta-feira, 10 de outubro de 2019


Oficial do 5º Grupamento ministra palestra sobre atendimento a tentativas de suicídio



Estamos no setembro amarelo, mês onde se chama atenção para a sensibilização das pessoas quanto ao casos de tentativas ao suicídio, aos males que geram tal comportamento, como entender melhor esse universo para que se possa ajudar com eficiência essas pessoas, tal fato proporciona melhor compreensão sobre o tema, ajuda na prevenção e na valorização da vida.

Militares participam de qualilficação profissional juntamente com servidores públicos do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência



Aconteceu nos últimos dias 20, das 07h00min às 18h30min e 21, das 07h00min às 12h00min, um Curso de atualização prática para os servidores do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) com objetivo de promover um ambiente de treinamento e de qualificação para todos os envolvidos. 

Como prevenir incêndios em vegetação e em entulho



Recentemente o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, decretou uma série de medidas preventivas e repressivas a serem tomadas pelas Forças Armadas, sobretudo o Exército Brasileiro, para coibir os ilícitos ocorridos na Amazônia, nisso se inserem as queimadas e desmatamentos, dentre outros crimes, deu-se início à Operação Brasil Verde.

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Tropa do 5º GBM é imunizada contra doenças infectocontagiosas




Ocorreu no auditório do 5º Grupamento nesta manhã (22) uma ação para imunizar os militares.

A iniciativa partiu da administração do Grupamento que solicitou à Secretaria de Saúde do município de Santana que procedessem com a imunização por conta da atividade fim desta corporação, o qual expõe sua tropa a doenças infectocontagiosas. 

5º Grupamento participou da Operação Horus II

O Corpo de Bombeiros Militar do Amapá (CBMAP) possui entre as suas funções o de fiscalizar estabelecimentos comerciais que estejam iniciando as suas atividades ou ainda aqueles que se encontram em pleno funcionamento no tocante aos quesitos exigidos no Código de Segurança contra Incêndio e Pânico (Lei 0871 de 31 de dezembro de 2004) e na Lei Kiss (Lei 13.425 de 30 de março de 2017). Estas leis foram implementadas para adequar os estabelecimentos comerciais de forma que as pessoas, ao usufruírem dos serviços desses locais, possam ter o mínimo exigido no quesito segurança.
Para tanto, o CBMAP possui em seus quartéis a Seção de Serviços Técnicos vinculadas à Diretoria de Segurança contra Incêndio e Pânico (DISIP), o qual gerencia os processos de qualificação técnica desses estabelecimentos e de eventos de grande concentração de público. Nesse universo, ações diárias de fiscalização são realizadas visando identificar anomalias e incorreções, outras, mais profundas, são feitas pelo CBMAP de forma arquitetada.

No dia 16 de agosto, o Corpo de Bombeiros Militar do Amapá através do 5º Grupamento, fez parte da Operação Horus II desenvolvida pela Polícia Civil do Amapá, com o objetivo de fiscalizar casas de diversões públicas (bares e boates), tal operação contou ainda com a participação da Polícia Militar. 

O serviço iniciou às 23h30min e foi até às 03h00min da madrugada e cada entidade pública fiscalizou o que lhe competia de acordo com suas atribuições constitucionais. Durante a operação o 5º GBM notificou quatro estabelecimentos comerciais devido alteração de tamanho de área, atividade de alvará não correspondente com o descrito ao órgão fiscalizador, exigência de confecção de projeto contra incêndio e pânico, dentre outros.

Os donos de estabelecimentos de Santana, ao procurarem o 5º Grupamento para regularizar suas atividades comerciais recebem todas as informações possíveis sobre o que deve ser feito para que estejam em consonância com a lei, e a instituição Bombeiro Militar espera que sejam cumpridas todas as recomendações. Para reforçar a fiscalização, as Vistorias Extraordinárias, pelo seu caráter inesperado, são essenciais e auxiliam a instituição no cumprimento do seu papel pois servem para identificar estabelecimentos irregulares e para verificar se os que estão em atividade o fazem conforme o que está estabelecido no alvará de funcionamento. 

Os estabelecimentos notificados na operação Horus II terão um prazo de sete dias úteis a contar da data de notificação para sanar quaisquer irregularidades apontadas, caso contrário, poderão sofrer as penalidades previstas em lei.

Seção de Comunicação Social - SECOMS 5º GBM, Santana. CBM/ AP.